2ª: AN.AN.SE. (ANDANÇAS ANÔNIMAS DE SENHORAS) 

clique nas imagens para visualizá-las em tamanho ampliado e com descrição

AN.AN.SE
AN.AN.SE
AN.AN.SE
AN.AN.SE
AN.AN.SE
AN.AN.SE
AN.AN.SE

ANANSE, segundo uma lenda africana, era um homem-aranha que teceu uma grande teia de prata até o céu para comprar as histórias de Nyame, Deus do Céu e detentor de todas as histórias do mundo. Ananse não mediu esforços para compartilhar histórias e sabedorias para o seu povo, tecendo palavras e memórias que transformaram a tradição oral de um povo, divulgando e reforçando a sua identidade.

 

Ananse agora, trazido ao Rio de Janeiro nesta performance, carrega um bastão/cajado repleto de fios trançados com cartas escritas por diversas senhoras (para os projetos P.O.S.T. e CORREIOS S/A).

 

Com a ajuda das senhoras-carteiras  Clautenes, Aída, Vera, Joseia, Tereza, Maria Apparecida e Didi - dispostas em fila -, Ananse espalha esses fragmentos para idosos que se encontram em local de sua passagem. 

 

Cartas repletas de lembranças escritas, ligadas ao bastão de Ananse pelos fios da memória que ele teceu - como uma teia que liga diversas histórias a serem compartilhadas, numa rede a ser construída (na espera das respostas às cartas). 

 

Para o velho Ananse continuar sua andança, nas trajetórias sutis e lentas, no passo cansado e difícil do idoso, ele se apoia exatamente neste bastão para dar seu próximo passo. Para ir adiante, ele se debruça no bastão do passado, nas reminiscências de outras senhoras. Essas cartas são arrastadas pelo chão de sua caminhada, no atrito com o solo, esperando serem vivenciadas através de suas possíveis leituras.

 

A fila de senhoras carteiras segue os rastros do velho Ananse, cortando os fios tecidos para compartilhar a outros diversas histórias fragmentadas que não podem se perder: devem ser espalhadas para não se perderem.  

Ananse "anancião" anunciando a poesia do compartilhamento!

LOCAL: Largo do Machado - Rio de Janeiro 

Dia:  2 de dezembro de 2013, de 10h às 12h30.

A experimentação de saída do personagem Ananse pelas ruas é ideia e pesquisa de Gilson Moraes Motta, Professor Doutor da Escola de Belas Artes da UFRJ, que, juntamente aos alunos participantes do Laboratório Objetos Performáticos de Teatro de Animação, fundou o Grupo Nós na Teia - que desenvolve uma pesquisa muito interessante sobre formas animadas no espaço público, unindo performance e caminhadas ao uso de bonecos e outras formas. Para a performanciã AN.AN.SE. (Andanças Anônimas de Senhoras), realizamos uma parceria, em uma intersecção de pesquisas: performance e envelhecimento, a figura do Ananse (da lenda africana) e o uso da máscara. A figura de Ananse, ao longo do percurso da ação, era trocada, "vestida" e experimentada pelos integrantes do Grupo Nós na Teia.

 

Gilson Moraes Motta publicou na Revista da Universidade Federal de Goiás um artigo que também cita as experiências de andanças de ANANSE pelo espaço urbano, inclusive a ação do PROJETO PERFORMANCIÃ com as senhoras-carteiras. Leiam aqui, no link abaixo:

http://www.revistas.ufg.br/index.php/artce/article/view/31798/16972

 

 

Revista Arte da Cena - UFG

artigo do Profº Drº Gilson Moraes Motta

"LABORATÓRIO OBJETOS PERFORMÁTICOS DE TEATRO DE ANIMAÇÃO: ANANSE NAS RUAS"

   © 2013 | 2020      PROJETO PERFORMANCIà